Óleos Comedogênicos: Como Saber?

Segundo algumas fontes, os óleos vegetais 100% puros não são óleos comedogênicos. Devido ao óleo ser puro, independente se for mais graxo ou não, ele é absorvido pela nossa pele sem entupir os poros.

De toda forma, acreditamos que cada óleo é singular, isto é, alguns são de gorduras saturadas e outras são mais poliinsaturadas.

Por experiência própria, fiz a aplicação do óleo de coco 100% puro em minha pele durante 1 semana como teste, pude ver que a absorção foi mais lenta sim, isso levando em consideração que o Óleo de Coco tem a comedogenicidade Grau 4, o que deixou meu rosto com aquela sensação de oleosidade.

Detalhe, meu rosto é muito oleoso e isso fez com que controlasse a oleosidade, é claro. Em contrapartida, ainda assim permaneceu aquele óleo. E é claro que eu passei uma quantidade mínima de óleo no rosto.

E isso é o fato que devemos levar em consideração, os óleos vegetais penetram somente na camada externa da pele na epiderme, ou seja, no estrato córneo.

Poucas pessoas sabem disso, não estão cientes desse fato e acham que os óleos vegetais em seus cuidados com a pele acabarão na corrente sanguínea porque é isso que eles leem uma vez em algum blog em algum lugar…

Então o que fazer? Leve em consideração o grau de absorção desses óleos na pele para saber o que adapta melhor em você.

Se policiar no que você anda comendo, isso ajuda a regular a oleosidade do rosto também.

A questão hormonal também conta, o organismo feminino sofre algumas alterações com o passar do mês, com isso podem ocorrer alguns picos de oleosidade ou ressecamento em seu corpo/pele.

Além disso, você pode estar substituindo o óleo por um creme ou gel neutro (sem parabenos, ftalatos e afins), onde a textura é mais densa porém a absorção é mais rápida e não deixa a pele oleosa.

óleos comedogênicos 2

 

Como Saber Quais são os Óleos Comedogênicos?

Você pode usar qualquer óleo natural em sua pele, desde que ele seja 100% puro e prensado a frio, livre de quaisquer substâncias tóxicas como parafinas, óleos minerais entre outros.

Mas, fique alerta. Quem tem pele oleosa sabe que não é fácil achar algo que se adapta sem deixar aquela oleosidade incômoda.

Essa oleosidade pode ocasionar cravos e espinhas? Na minha experiência, não tenho algo concreto para provar se ocasionou ou não.

Alguns cravinhos eu já tinha, as espinhas durante o processo de experiência, também não apareceram. Seria mais o incômodo em ficar com a pele oleosa mesmo.

Enfim, cada corpo e organismo reage de uma forma e a adaptação é individual também.

Contudo, criamos uma lista baseado em outras fontes de pesquisa, na qual alguns óleos são separados em grau de comedogenicidade de 0 a 5.

Dessa forma você pode escolher, assim como eu, um óleo mais leve sem deixar aquele aspecto de cara oleosa.

Pode estar acrescentando também alguns óleos essenciais que ajudam a tratar cravos e espinhas como o Melaleuca.

Segue a tabela:

 

oleos comedogenicos 3

oleos comedogenicos 4

 

Fontes:

A. M. Kligman and O . H. Mills: Acnec osmetic arch. Dermatol., 106, 843-850 (1972).

J. E. Fulton, S. Bradley, et al, Noncomedogecnoics metics, Cutis, 17, 344-351 (1976).

J. E. Fulton, Jr., S. R. Pay, and JE Fulton III, Comedogenicity of current therapeutic products cosmetics, and ingredients in the rabbit car, J . Am. Acad. Dermatol., 10, 96-105 (1984).

W. R. Markland Acne and cosmetic comedogenicity Norda Briefs, 481, 1-6 (1977).

G. W. Hambrick and H . Blank, A microanatomical study of the response of the pilosebaceous apparatus of the rabbits' ear canal. J. Invest. Dermatol., 26, 185-200 (1956).

H. Gougerot, A. Carteaud, and E. Grupper, Epidermie de coedons par les brillantines, crêmes etc. de gerer, Bull. Soc. Franc. Derm. Syph., 52, 124-125 (1945).

G. Piewig, J. E. Fulton, and A .M. Kligman, Pomade acne. Arch. Dermatol., 101, 580-584 (1970).

G. Piewig, J. E. Fulton, and A .M. Kligman, Dynamics of comedo formation in acne vulgaris, Arch. Derm. Forsch. 242, 12-29 (1971).

A. Zatulone and N. A. Konnerth, Comedogenicity testing of cosmetics, Cutis, 39, 521 (1987).

O. H. Mills and A.M. Kligman, Comedogenicity of sunscreens, Arch. Dermatol., 118, 417-419
(1982).

M. Lanzet, Comedogenic effects of cosmetic raw materials, Cosmet. Toiletr. 101, 63-72 (1986).

J. S. Strauss and E. M. Jackson, American Academy of Dermatology Invitational Symposium on Comedogenicity, J Am. Acad. Dermatol., 20, 272-277 (1989).

Osmólogo Fernando Amaral. Técnicas de Aplicação de Óleos Essenciais. Pág. 59, Cengage Learning, 2015, 1ª Edição. https://alquimiaoriental.com.br/wp-content/uploads/2018/08/Comedogenicity-and-irritacy-of-commonly-used-ingredients.pdf

 

Olhando para o lado esquerdo da tabela, colocamos os óleos que são os mais recomendados para peles oleosas, onde a taxa de absorção é muito mais rápida.

São de grau 0 a 2, incluindo algumas manteigas e ceras.

Do lado direito da tabela, estão as de grau 3 e 4, ideais para peles mais secas/maduras com a taxa de absorção um pouco mais lenta.

 

Conclusão

Óleos vegetais 100% puros são sensacionais. Fazer cosméticos com eles é uma arte da qual seus benefícios geram encantos.

Os óleos são recomendados em qualquer tipo de pele. Por serem naturais, a sua química é compatível com a nossa.

Contudo, cada corpo gera um resultado diferente, a questão do uso dos óleos em sua pele e saber qual é melhor para você, vai depender de aplicar e provar qual você se adapta melhor.

E aí, já experimentou? O que você achou? Comente aqui embaixo!


Já viu nossos treinamentos? Saiba mais:


E-book GRÁTIS: Guia da Alquimia na Cosmetologia Natural

18 Comentários

  1. Rafaela

    Olá, eu gostaria de saber sobre grau de comedogenicidade dos seguintes óleos e manteigas:
    Óleo de linhaça, macaúba, pequi e andiroba
    Manteiga de Mururu, Cupuaçu e Manga
    Não estou conseguindo achar estas informações

    • Olá Rafaela, recomendo que você use conforme a absorção deles na pele, por exemplo: óleo de Linhaça e Macaúba possuem densidade leve, ótimo em peles oleosas, já o Pequi, Andiroba, Murumuru, Cupuaçu e Manga tem absorção média-alta.

  2. Olha eu aqui passando novamente, Estou acompanhando seu Blog que é Maravilhoso! Essas informações tem me ajudado bastante e acredito que outras pessoas também. Sou grata. Sucesso Sempre!!

      • Mariana

        Olá, tenho 15 anos e uma pele mista. Tenho algumas espinhas e cravinhos, mas por conta da questão hormonal mesmo. Estava querendo um demaquilante em óleo, porém achei todos muito caros. Teria problema eu usar o óleo de coco para retirar a maquiagem e logo após fazer minha rotina de limpeza com a pele? (Gel de limpeza e água micelar). Tenho medo de minha pele ficar oleosa e piorar a questão da acne

        • Olá, Mariana.
          Pode usar sim, não tem problema nenhum desde que seja extra virgem prensado a frio. =)

  3. Encurtador de URL

    Eu amo o seu site !.

  4. Voce poderia escrever um artigo sobre como tratar cabelos muito oleosos? 🙂 Eu gosto o seu site! 🙂

  5. Maria Eduarda

    Oi! Faço tratamento de aromaterapia e uso um oleo base de coco fracionado e queria saber se ele é comedogênico. No próprio site da marca (doTerra) diz que não obstrui os poros, mas ainda sim queria sua opinião. Queria usar como um booster de hidratação com meus óleos essenciais mas tenho medo por falta de informação

    • Olá, Maria! Só verifique no INCI se é óleo vegetal 100% puro (sem parafina, óleo mineral, perfume), caso seja pode usar sem medo!😉

  6. Thais

    Olá! Gostei muito das informações 🙂
    Como faço para saber sobre a comedogenicidade do óleo de Copaíba e do óleo de Pequi e do óleo de Semente de Uva?
    Agradeço desde já.

    • Olá, Thaís! Procure ver o grau de absorção deles, segundo o Osmólogo Fernando Amaral, se for 100% puro não é para causar comedogenicidade.😉

  7. Lúcia Marin Santos

    Tenho rosácea ,só vermelhidão,pele mista,nariz muito oleoso,usei óleo de coco extra virgem e queimou o rosto,posso usar o óleo vegetal calêndula,pra mistura com óleo essencial de camomila e copaíba?

    • Olá, Lúcia!
      Você pode fazer um teste antes com esse óleo vegetal de calêndula com OE de camomila e passar em uma pequena parte nessa região para testar se causa reação ou não, porém o ideal é você procurar um profissional na área.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *