Testes com Ceras Oleosas

A quantidade de cera, com certeza, influencia no rumo de uma formulação…

O nível de dureza e espessamento será determinado conforme os testes feitos. Consideramos de 1:1 a 1:6, uma parte de cera (n°1) para outra parte de óleo (até o 6).

Testamos primeiramente com cera de abelha, depois candelila e carnaúba. Fizemos utilizando 1g de cera para até 6g de partes de óleo.

Colocamos cada teste para derreter em banho-maria (cera+óleo) e depois esperamos resfriar para testar a dureza. A temperatura do local do teste estava em torno de 23°C, então caso você more em um ambiente mais caloroso ou frio do que o nosso, o resultado pode ser um pouco diferente…


Observações dos Testes com Ceras Oleosas

Durante os testes, conseguimos chegar a algumas observações:

  • 1:1 – Uma parte de cera para uma parte de óleo, tivemos o resultado de uma receita muito dura e não derrete facilmente na pele. É bastante ceroso, pegajoso e duro, principalmente as ceras de carnaúba e candelila (possuem maior ponto de fusão).
  • 1:2 – Ainda permaneceu uma receita dura, não possui um bom deslizamento na pele e é muito pegajoso.
  • 1:3 – Já é possível fazer uma barra de manteiga corporal, um lip balm (em climas mais quentes), não é tão pegajoso, me refiro a cera de abelha, a de candelila e carnaúba ainda se mostram um pouco mais duras, mas já é possível manusear de alguma forma também…
  • 1:4 – A cera de abelha não é pegajosa, derrete em contato com a pele e possui um bom deslizamento. Já dá para fazer alguns bálsamos mais duros com este resultado. A candelila se mostra muito semelhante, um pouco mais firme em cima quando pressionada, mas é macia embaixo, e carnaúba também se mostra mais macia, porém não tanto quanto a de abelha e candelila, tem uma certa resistência quando pressionado o dedo no teste.
  • 1:5 – A cera de abelha possui um bom deslizamento, não é pegajoso, derrete fácil na pele. A partir daqui, eu diria que um bálsamo nesta proporção fica mais macio e, conforme a pressão do palito, ele não racha. Cera de candelila também possui um bom resultado, porém um pouco mais consistente assim como a de carnaúba.
  • 1:6 – Resultado de uma fórmula muito macia, derrete muito fácil na pele. Daqui em diante, todos os testes feitos tendem a ser mais moles e, talvez, sem muita firmeza, apenas consistência.
Resultado de 1:1 e 1:2 deu praticamente a mesma coisa, os dois se racham.
Cera de abelha se mostra mais macia que as outras, conforme o previsto…
Pressionando com o dedo a cera de carnaúba 1:5.
Pressionando com o dedo a cera de carnaúba 1:6.


Conclusão

Bom, conforme as imagens vistas, utilizamos palitos e dedos para verificar a consistência conforme pressionamos eles nos testes.

Para o derretimento, deslizamento e pegajosidade testamos na pele e nos lábios para obter um melhor resultado aplicado.

É fácil ver que os testes 1:1 e 1:2 são muito duros e praticamente descartáveis para o uso, velocidade de derretimento zero. A partir do 1:3 a 1:5 conseguimos fazer bons bálsamos e de 1:6 pra cima você consegue obter um espessamento com a cera.

Já era de se esperar que a cera de abelha seria mais macia que as demais, pois seu ponto de fusão é menor com relação à de candelila e carnaúba.

Conforme visto nas imagens da cera de carnaúba 1:5-1:6, ela possui um ponto de fusão maior e se mostrou com ótimo resultado nesses dois testes.

Fazendo um breve resumo, pode-se dizer que para bálsamos em climas mais quentes 1:5 (cera de carnaúba), assim como o 1:4 a de candelila e abelha. Climas frios de 1:5-1:6. Para lip balms, manteigas, de 1:3-1:4 (climas quentes), clima frio 1:4.

De forma geral, 1:1-1:2 é muito sólido, pegajoso, não tem um bom deslizamento. 1:3 é mais sólido, tem derretimento lento, mas desliza bem. 1:4 é sólido, possui um derretimento médio e desliza bem. 1:5 não é tão sólido, possui derretimento médio e possui um bom deslizamento. 1:6 a partir daqui é fácil de manusear, não é sólido, possui rápido derretimento e deslizamento.

Com esses dados concluímos que tentar adicionar mais cera para tentar salvar uma receita não é o caminho, muito menos usar mais que 33% de cera nas receitas…

Gostou dos testes? Vai colocar em prática? Comenta aqui embaixo!

E-book GRÁTIS: Guia da Alquimia na Cosmetologia Natural

2 Comentários

  1. ALCINEA MEIGIKOS

    Ótimo artigo. Simples para o entendimento e bem elaborado. Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *