Diferenças Entre Ceras Naturais

Vejo uma certa confusão na hora de usar as ceras naturais, isso porque as ceras emulsificantes são totalmente diferentes das ceras oleosas.



Diferenças Entre Ceras Naturais

As ceras emulsificantes são misturadas com ácidos graxos para fazer a mistura de óleo e água com a ação de emulsificar e engrossar as receitas.

São usadas para fazer loções, cremes, condicionadores. São usadas na fase oleosa e nessas formulações usamos mais água do que óleos.

Podem ser vistas em duas categorias: ceras emulsificantes completas e incompletas.

Na verdade, eu diria que essas ceras incompletas são que nem os conservantes que NÃO são de amplo espectro, muitas vezes não fazem nem metade do trabalho.

Elas precisam de outros ingredientes para funcionar 100%, neste caso um co-emulsificante, que não deve ser qualquer um…

Deve ser especificado, o que torna o trabalho ainda mais difícil!

Podemos ver alguns exemplos de ceras completas, entre elas:

Polawax NF – INCI: Emulsifying Wax NF

BTMS-50 – INCI: Behentrimonium Methosulfate (and) Cetyl Alcohol (and) Butylene Glycol

Olivem 1000 – INCI: Cetearyl Olivate (and) Sorbitan Olivate

Ritamulse SCG – INCI: Glyceryl Stearate (and) Cetearyl Alcohol (and) Sodium Stearoyl Lactylate

Polawax NF é uma cera muito fácil e versátil de administrar. Produz emulsões suaves e são ótimas para iniciantes.

Ritamulse SCG e Olivem 1000 são consideradas ceras mais “naturais” e são um pouco mais difíceis de usar do que a Polawax NF.

BTMS-50 é uma cera catiônica ótima para loções, soros, bálsamos, condicionadores.

cosmeticos naturais e suas vantagens


Já as ceras OLEOSAS (são também conhecidas como ceras reais), são derivadas de folhas, cascas e frutos de diferentes plantas ou são separadas de óleos vegetais. 

Neste e-book GRATUITO falamos sobre as ceras, você pode baixar clicando no botão!

São feitas com a separação física sem reações químicas envolvidas onde são desodorizadas e purificadas.

Essas ceras são uma mistura de hidrocarbonetos e ésteres graxos (um éster de um álcool graxo e um ácido graxo). 

Geralmente  são encontradas por diferentes tipos de graus (cores), isto é em relação ao seu ponto de fusão, sua forma física e pureza.

Cada cera tem um certo tipo de dureza e alguns fatores podem interferir na sua formulação como por exemplo, o clima.

Se você mora em um clima tropical precisará de uma cera com maior dureza, ou seja, um ponto de fusão alto.

Já para criar um creme deve usar uma cera com ponto de fusão mais baixo. A escolha vai depender do propósito que você deseja atingir.

Lembrando que estas ceras são usadas para óleos e manteigas, em algumas emulsões de água em óleo podem ser usados como estabilizador e modificador de viscosidade.

Você pode substituir uma cera por outra, porém deve ficar atento ao ponto de fusão, por exemplo, a cera de abelha tem o ponto de fusão 61-65°C, se for substituir pela cera de carnaúba com ponto de fusão 80-86°C você deverá usar menos cera.

As ceras mais conhecidas aqui no Brasil são as ceras de: abelha, candelila e carnaúba.

Abelha: Faz parte da estrutura do favo de mel onde o néctar é convertido em cera pelas abelhas, contém propriedades curativas e calmantes. Muito usada na elaboração de cremes e batons, é encontrada nas cores amarelo escuro, amarelo claro e branco.

Candelila: É muito usada na substituição da cera de abelha e menos pegajosa. É derivada das folhas do arbusto mexicano Euphorbia Antisyphilitica. É muito usada em produtos de batom e cabelo, disponível em cores amarelas e brancas.

Carnaúba: É derivada das folhas de uma palmeira brasileira conhecida como Copernicia Cerifera. Disponível em cores amarelo escuro e amarelo claro. Tem o ponto de fusão mais alto comparado as outras e é muito usada em produtos de rímel e cabelo.

Já na Europa e EUA temos mais opções de ceras como:

Cera de Frutas Myrica

Cera de Farelo de Arroz

Cera de Girassol

Cera Berry

Ceras Oleosas e Ponto de Fusão

Também devemos falar sobre as “falsas” ceras, conhecidas como pseudo-ceras. No INCI, se você for procurar, o nome delas também contém as palavras cera/wax. Não tem nada de errado em você usar essas pseudo-ceras, porém o valor que é investido nesses ingredientes é alto demais para uma qualidade baixa, não sendo ceras verdadeiras com ésteres de álcoois graxos.

Exemplos:

Óleos Hidrogenados: São ceras feitas a partir de óleos hidrogenados, refinados com o objetivo de aumentar o ponto de fusão do óleo para solidificar o óleo líquido e aumentar sua vida útil. Alguns exemplos: cera de abacate, cera de rícino, cera de soja.

Mistura de Óleos e Óleos Hidrogenados: São misturas de óleos vegetais com óleos hidrogenados, no INCI vai mostrar que é uma mistura de gordura vegetal com óleo.

Ceras Florais: Parece agradável aos olhos quando vemos essas ceras, porém essa cera é extraída com álcool, água e alguns solventes depois que todo o material bom já foi retirado. Possui uma coloração escura e um alto custo. Podem ser trocadas por manteigas mais macias como karité e manga.

Existe um mito sobre a cera de abelha ser um emulsificante, isso foi comentado em um post da Fórmula Botânica e aqui vamos dar um breve resumo do por que ela não emulsifica…

Por mais que a ideia de emulsificar com a cera de abelha seja convidativa e o resultado parece ser agradável aos olhos, o emulsionante deve permanecer estável durante algumas semanas/meses para que seja eficiente.

A emulsão acontece com uma dispersão de partículas finas de o/a e vice versa. Na emulsão existem ativos que são dispersos na pele gradualmente (óleo e água). Já a cera de abelha não consegue ser um umectante na pele. Se você fizer testes de estabilidade é possível verificar isso.

Há apenas um modo da cera de abelha funcionar efetivamente como emulsificante, quando é usada em conjunto com o bórax (borato de sódio). E ainda sim, não é a cera de abelha que emulsifica e sim o sabão formado como resultado final dessa mistura.

Assim como qualquer outro ingrediente lipofílico (óleos), é preciso usar algum emulsionante para fazer essa mistura de o/a ou a/o nas criações de cremes, loções etc.

Conclusão

Ceras emulsificantes são totalmente diferentes das ceras oleosas.

As ceras oleosas usamos para espessar ou incluir nas receitas anidras e, ás vezes, nas emulsões também.

A ceras emulsificantes, como o nome já diz, usamos para emulsificar o óleo e água, ou seja, ela faz a junção dos dois para criação dos cremes.

Gostou deste post? Te ajudou de alguma forma? Comenta aqui embaixo!

E-book GRÁTIS: Guia da Alquimia na Cosmetologia Natural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *