Testes de Espuma com Surfactantes Naturais

Os surfactantes são responsáveis por promover a limpeza e espuma durante seu uso e, para que ocorra uma limpeza de fato, não necessariamente este surfactante precisa gerar a espuma…

Principalmente quando falamos em surfactantes naturais, eles são derivados naturais mas passam por um grau de processo químico para podermos usar nos cosméticos com eficácia.

Os surfactantes também são responsáveis por outras funções, como produtos de limpeza facial, gel de banho e shampoos. Assim como outros ingredientes também pertencem a este grupo de surfactantes:

  • Solubilizantes
  • Umectantes
  • Detergentes
  • Emulsificantes
  • Dispersores
Os surfactantes têm uma cabeça hidrofílica e uma cauda hidrofóbica. O tipo de carga é o que determina o tipo de surfactante.
  • Aniônico – Carga negativa
  • Catiônico – Carga positiva
  • Anfótero – Muda de carga conforme o pH
  • Não-iônico – Carga neutra


Qual Surfactante Natural Devo Usar?

Os surfactantes possuem 4 classificações, os aniônicos, não-iônicos, anfóteros e catiônicos, mas quando falamos em aplicar na pele ou cabelo geralmente usamos os não-iônicos em muitas receitas…

Os não-iônicos são compatíveis com os outros surfactantes e, portanto, mais fáceis de se trabalhar com a mistura dos ingredientes, caso você seja iniciante no assunto.

Eles são neutros, suaves e leves, deixam a formulação mais encorpada sendo ótima opção para aplicar na cosmética natural/orgânica. Mas, nem todos os não-iônicos são iguais, pode haver pequenas mudanças de um para outro, portanto você deve saber selecionar bem qual deverá usar nas fórmulas.

Dependendo de qual seja sua fórmula, você consegue incluir mais de um tipo de surfactante, como o anfótero e aniônico. Age com melhor desempenho e os não-iônicos são compatíveis com eles.

Você apenas precisa se atentar e verificar o valor de Active Surfactant Matter (ASM) de cada surfactante.

O ASM define a porcentagem de concentração da matéria ativa do surfactante, ou seja, quando compramos um surfactante ele vem dissolvido/diluído na água, portanto em um surfactante que se diz ter 55% de matéria ativa, quer dizer que tem 55% do componente ativo (surfactante) e 45% de água junto.

Isso é muito válido para fazer com que você saiba a quantidade que precisa ser usada deste produto na sua formulação. A quantidade de surfactante em um shampoo muda em relação a quantidade de uma receita para o rosto (mais delicado)…


Espuma é Importante nos Surfactantes Naturais?

Definitivamente, ter espuma não é sinônimo de limpeza na pele ou cabelo, porém as pessoas estão muito acostumadas a usarem esses tipos de produtos que gerem determinada espuma abundante, principalmente nos shampoos.

Quando trabalhamos com os surfactantes naturais também conseguimos provocar determinada espuma, mas não que isso seja necessário, porém conseguimos deixar semelhante a um produto convencional com uma espuma rica e densa, sim!

Tomei a liberdade de fazer uma pequena amostra com determinados tipos de surfactantes para simplesmente mostrar a qualidade de espuma entre cada um…

Fizemos uma solução de 15% do surfactante em 85% de água destilada e colocamos nas embalagens de spray de espuma:

Resultado: a espuma de alguns são mais consistentes que de outros (o que é normal), mesmo dentro de uma mesma classificação (como mencionamos lá em cima) a espuma pode ser um pouco diferente da outra.

  • Lauryl Glucoside: Precisou ser aquecido antes por ter pedaços sólidos/pasta, isso ajuda a dar espessamento nas receitas e, por ser mais grosso, não é muito adequado o uso nessa embalagem. Em outras palavras, quase quebrei a embalagem para fazer espuma…
  • Decyl Glucoside: Produz uma espuma mais densa e consistente.
  • Cocamidopropyl Bataine: Ele ajuda a engrossar e estabilizar a espuma. É ótimo para espumas mais densas e ricas.
  • SCI: Mostrou uma espuma rica ótima para a embalagem, porém menos consistente que a do Decyl e Cocamidopropyl.
  • Coco Glucoside: Não está incluso neste teste, porém se tem bons resultados com ele nessas fórmulas. Produz uma boa espuma, principalmente neste tipo de embalagem.

Você pode consultar mais sobre cada surfactante AQUI e ver outros exemplos de surfactantes também.

Teste de espuma com o Cocamidopropyl Betaine.
Teste de espuma com o Decyl Glucoside.
Teste de espuma com o SCI.
Teste de espuma com o Lauryl Glucoside.


Conclusão

A gente sempre encoraja as nossas alunas a explorar novos ingredientes e testar sempre esses produtos, ou seja, ir além do que já está acostumada a fazer, como os produtos anidros que é onde todo mundo começa.

Como foi visto, nem todos os emulsificantes são iguais, assim como os óleos vegetais e também os surfactantes de uma mesma classificação… Por isso em cada receita que você fizer é importante anotar todos os ingredientes usados e os resultados obtidos da receita.

Assim você consegue observar como o produto age, você pode iniciar com apenas 1 surfactante, depois acrescente outro em outra fórmula e por aí vai testando.

Também é importante ajustar o pH durante o processo, verificar a viscosidade do produto, se a espuma está condizente com o que deseja, é assim que a alquimia funciona!

E-book GRÁTIS: Guia da Alquimia na Cosmetologia Natural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *